Blog, Comportamento

Aprendendo a lidar com a autoestima, autoimagem e autoconceito.

Os dramas da nossa vida são reflexos das visões mais íntimas que temos de nós mesmos, grande parte da origem dos nossos pensamentos, sentimentos e comportamentos estão relacionados à nossa autoestima, se não tivermos uma percepção coerente, saudável e equilibrada do que somos e do valor que nos damos, corremos o risco de sermos devorador por nós mesmos.

Para melhor entender a autoestima, precisamos diferenciá-la do autoconceito e da autoimagem.

Autoconceito: É a imagem ou idéia que o indivíduo faz de si mesmo.

Autoimagem é uma descrição que a pessoa faz de si da forma como ela se vê.

Autoestima é a qualidade, o valor que o indivíduo se dá daquilo que acredita ser.

Distorções da nossa autoestima pode nos levar à uma supervalorização da nossa imagem (alta autoestima ) ou uma desvalorização da mesma (baixa autoestima)

Alguns acreditam que devemos o ter sempre uma autoestima elevada, os modelos de autoajuda trabalham muito dentro desta vertente, isso é problemático pois autoestima superelevada conduz a caraterísticas egocêntricas de pessoas que acreditam ser melhor que as outras, outro fator, é que acreditar que devemos sempre ter uma alta autoestima é que tendemos a negar  os pontos de vulnerabilidade que todos temos na vida. 

Por outro lado temos o problema da baixa autoestima que tem como características; insegurança, perfeccionismo, sentimento de inadequação, constantes dúvidas, incerteza de si mesmo, não se permite errar, grande necessidade de aprovação e reconhecimento e por vezes até depressão.  Os fatores que levam a diminuição da auto estima são; pais essencialmente punitivos, constantes críticas e autocríticas, sentimento de culpa, abandono, humilhação, constantes frustrações e perdas (de familiares, amigos, financeira). Tudo isso pode levar a diminuição do autoconceito.

Ter um autoconceito equilibrado e coerente significa apreciar-se por aquilo que você é, com as suas  falhas, fraquezas, valores, conquistas e dificuldades. 

Uma forma de aprendermos a lidar com a nossa baixa ou alta autoestima é através da psicoeducação que é o processo de entendimento das nossas dificuldades ou doenças de modo a ter habilidades que nos permitem lidar nos momentos da crise. Dentro do consultório é uma técnica muito utilizada por nós psicólogos para que nossos pacientes apliquem em seu dia a dia. Abordarei 03 técnicas psicoeducativas para você que percebe que tem dificuldade com em lidar com sua auto estima, auto imagem e auto conceito.

1º Compreenda as eventuais experiências negativas da vida – É necessário entender as eventuais experiências negativas da vida não supervalorizando-as, ou seja se algo muito desagradável lhe aconteceu na sua infância, no trabalho, com os amigos, foi um evento que por si só não define quem você é, isso não te tira as responsabilidades da causa do evento, aliás saber lidar com nossas responsabilidades sem nos punir excessivamente é outro ponto muito relevante. Não seja  fatalista com você mesmo, nós erramos em todas as fases da vida, o que devemos é aprender com os erros, aceitar que temos dificuldades e buscar formas de melhoria sem autodepreciação.

2º – Identifique e corrija a voz crítica que existe dentro de você – Muitas vezes os pensamentos críticos são automáticos e coloca-nos em padrões altamente perfeccionistas provocando um excessivo sofrimento não se permitindo falhar, os pensamentos aparecem em frases que dizemos a nós mesmo como: Tenho de ser o aluno perfeito, o amigo ideal”; “Tenho de encontrar soluções para tudo”; “Nunca me devo sentir mal, tenho de estar sempre feliz”; “Tenho de ser completamente competente”; “Nunca devo cometer erros”, “Tenho de estar sempre ocupado, relaxar é perder tempo”, “Quando tiver o corpo perfeito serei aceite por toda a gente e serei completamente feliz”, etc. Identificar esses pensamentos para cortar o ciclo vicioso que eles fazem em nós é essencial, ao identificá-los traga-os à realidade, pergunte-se se realmente eles possuem fundamentação, exemplo: Tenho mesmo que ter soluções pra tudo na vida?, nunca realmente posso me sentir mal? Quem nunca comete erros?  Relaxar é perder tempo? Será que não preciso realmente parar e relaxar um pouco? Parar pra poder descansar não te deixaria se sentir melhor?  

3º Treine uma autoavaliação e autoaceitaçao positiva – Aprender a fazer a devida autoavaliação das suas fortalezas e fraquezas te ajuda no processo diário de luta que você se impõe contra você mesmo, desta forma você pode traçar planos para lidar com suas fraquezas e reconhecer e reforçar os pontos positivos que possui e que faz diferença na sua vida e na vida dos que estão em sua volta.

Caso acredite ser necessário busque a ajuda de um psicólogo, ele pode lhe ajudar neste processo de identificação do autoconceito  para melhor lidar com a autoimagem e autoestima. Desenvolver nossa autoestima é desenvolver a convicção de que somos capazes de viver e somos merecedores da felicidade e, portanto, capazes de enfrentar a vida com mais confiança, boa vontade e otimismo.

Espero que a leitura deste artigo tenha lhe ajudado, aproveite e mostre a um amigo que necessita de uma leitura mais apropriada ao problema que esteja passando. Caso queira contribuir com críticas ou sugestões a esta coluna de comportamento escrita por Leonardo Sandro Vieira é só contactar pelo 33-98818-6858 ou 3203-8784 ou pelo e-mail:leosavieira@gmail.com  
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Leoperfil-2.png
Leonardo Sandro Vieira 
CRP-04/43298

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *