Blog, Comportamento

Como os pais podem ajudar os filhos na escolha da profissão

Um dos grandes dilemas vividos na adolescência principalmente na fase final do ensino médio é a escolha da profissão, e esta escolha geralmente vem carregada de ansiedade e sofrimento.

É comum os pais ficarem sem saber como ajudar neste momento. Exagerar nos palpites ou deixar seus filhos decidirem sozinhos, por conta própria, podem ser atitudes igualmente prejudiciais. Muitos além de não se sentirem aptos na ajuda aos filhos, não sabem se os orienta a fazer algo que os traga satisfação e felicidade (e claro o adolescente neste momento dificilmente  tem idéia do que lhe fará  feliz profissionalmente) ou se  incentiva a escolher uma profissão baseada nas percepções do mercado atual (outro detalhe é que o que está em alta hoje pode não estar daqui a 05, 10, 20 anos, ou seja, o mercado está cada dia mais vulnerável às mudanças).

É muito comum entre famílias que tem o próprio negócio, ou que um dos pais é um profissional liberal (médico, dentista, advogado, etc) verem no filho a possibilidade de dar continuidade ao seu projeto profissional.  Adolescentes destas famílias ouvem frases do tipo: “se você seguir direito herdará a minha clientela”, “a direção da empresa deve continuar em nossas mãos”,” seria bom que você fizesse engenharia, medicina ou direito pois, já temos tudo pronto pra você”, outra fala muito comum é; “você deve fazer um concurso como seu pai para ter uma carreira estável”. Os pais se esquecem que não é incomum filhos que tem dificuldade em visualizar a profissão deles como uma opção interessante, pois a interpretação do filho do discurso ou comportamento do pai durante a vida sobre a sua profissão pode não ter sido algo muito bom de sentir.

Deste modo, pressionar direta ou indiretamente os filhos a seguirem determinadas carreiras, sem considerar seus interesses, habilidades, valores e aspirações significa impor aos filhos uma vida que não é deles. Muitos filhos, por desejarem corresponder às expectativas dos pais e familiares “escolhem” seguir os caminhos que lhes são determinados. Porém no decorrer de suas vidas poderão ficar com a sensação de que as escolhas que fizeram não são realmente deles, não haverá senso de pertencimento com a profissão.

Passo abaixo algumas orientações que podem contribuir com os pais na relação de ajuda aos filhos sobre esta fase da vida.

Crie momentos oportunos e agradáveis para conversar sobre o tema, esta conversa  não deve ter um peso moral tampouco com tons de pressão, ela precisa ser no sentido de identificar quais são os mitos ou  visão distorcida que o filho tem sobre o trabalho e profissão, e comentar qual é a realidade (lembrando que às vezes esta conversa pode ser difícil se o filho enxerga os pais como inquisidores das suas idéias, desta forma ele também vai achar que a opinião dos pais é uma visão equivocada da profissão);

– É importantíssimo que você ajude seu filho a se autoconhecer, identificar suas habilidades, aptidões e qual tipo de atividade o deixa realizado ao fazer;

– Ajude seu filho a buscar informações no mercado de trabalho sobre a profissão que está escolhendo, ler revistas da área, fazer visitas técnicas, conversar com profissionais da área pode ajudar muito neste processo;

– Recomende que a escolha não seja baseada apenas no prestígio e/ou retorno financeiro. A questão financeira é importante, mas é preciso levar em conta também outros fatores, especialmente a satisfação e realização profissional;

 – Não coloque suas expectativas de realização profissional em cima do seu filho e cuidado para não influenciar seu filho a seguir uma profissão que você gostaria de ter seguido;

– Esteja sempre aberto ao diálogo, ouça suas angústias, que podem ser muito diferentes das suas no atual momento de vida, tome cuidado para não diminuir a angústia do seu filho por não fazer parte da sua realidade;  

– Se o seu filho estiver com muita dificuldade em fazer a escolha da profissão, proporcione a ele a possibilidade de fazer um processo de orientação profissional. Há ótimas ferramentas além de profissionais capacitados para auxiliar neste momento da vida para que seja menos sofrido e principalmente para que os resultados da escolha produzam uma sensação de bem estar, afinal nada melhor do que saber que os nossos filhos seguiram a profissão com a qual  verdadeiramente eles tem habilidade e aptidão e que provavelmente os trará satisfação e realização profissional. Nada melhor do que vê-los felizes e como pais, contribuir para que esta fase seja superada com responsabilidade e menos ansiedade e sofrimento.

Espero que a leitura deste artigo tenha lhe ajudado, aproveite e mostre a um amigo que necessita de uma leitura mais apropriada ao problema que esteja passando. Caso queira contribuir com críticas ou sugestões a esta coluna de comportamento escrita por Leonardo Sandro Vieira é só contactar pelo 33-98818-6858 ou 3203-8784 ou pelo e-mail:leosavieira@gmail.com  
Leonardo Sandro Vieira 
CRP-04/43298

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *