Blog, Comportamento

Feridas Emocionais, o que passou, realmente passou?

É realmente possível esquecer o que passou? Principalmente quando o que passou é algo que mexeu muito com nossas sensações, sentimentos e teve um significado muito grande em determinado momento da nossa vida? A mente é algo espetacular, cada dia que a estudamos mais vamos percebendo que há muito mais ainda a ser descoberto. Na mente o sistema cognitivo é responsável pelos pensamentos e linguagem e sistema límbico responsável pelas sensações e emoções, compreendendo estas e outras áreas do cérebro, vamos percebendo melhor o impacto da memória racional e afetiva em nossas vidas.

O cérebro tem um processo automático de limpeza das “impurezas” diárias que acontece durante o sono através do “sistema glymphatic”, ou seja de informações que recebemos durante o dia e supostamente não iremos precisar o cérebro as descarta, esse processo é altamente necessário e saudável à toda mente, contudo há fatos  que marcam muito os momentos de nossa vida, será que conseguimos esquecer esses fatos de modo tão fácil assim?

Quando esses fatos que nos afetam de modo impactante acontecem, começamos a “sofrer” e principalmente, eles afetam nossa percepção, sensação e comportamento no mundo, deste modo, temos que parar e começar a analisar um pouco mais o porquê da necessidade não abrir mão desse passado que tanto nos incomoda e ficamos presos lá atrás, deixando principalmente de viver o presente.

Normalmente os sentimentos mais comuns de quem vive no passado é a culpa, e mágoa. A culpa  normalmente é  peso que que colocamos sobre nós  mesmos e a mágoa é o peso que colocamos sobre o outro e há culpas e mágoas que são tão intensas, pesadas que dilaceram a alma sendo extremamente pesadas e para quem as vive. Normalmente as pessoas falam algo do tipo” você precisa apagar isso da memória”, “já passou, pare de sofrer” chegar doer, porque parece que as pessoas não estão querendo ajudar e sim desavalorizar o que está passando quem sofre.  

Mas e ai o que fazer com esses sentimentos que normalmente são pensamentos e emoções que são tão insalubres à saúde mental e física que marcam de forma tão forte o passado que torna-se difícil esquecer no presente?

Bom, precisamos aprender alguns pontos significativos sobre memória, pensamento e sentimentos, para primeiro pensar se essa questão de que devemos esquecer é assim mesmo no imperativo, deve-se esquecer e ponto final.

1º Todas as emoções são legítimas – Socialmente fomos modelados a não ser tão coerente com nossas emoções, falar que nos sentimos triste é algo que faz com que estão em nossa volta de alguma forma não valide nossa emoção falando algo do tipo, não fale assim, não sinta a tristeza. Não há problema algum sentir-se triste em certos momentos da vida, a questão é o que vamos fazer com esta tristeza, ou o que ela está querendo nos comunicar que não conseguimos perceber e por muitas vezes fugimos dela para não sentir a dor.

2º Não existem emoções positivas e emoções negativas –Socialmente fomos ensinados que sentir somente a alegria, mas de nada adianta nos sentir alegre se na alegria humilhamos as pessoas, gastamos mais do que que temos. Também aprendemos que a tristeza é um sentimento negativo, depende, há momentos que acontecerão elaborações internas muito positivas no momento em que o individuo estava triste, e foi o principal fator de mudança para uma vida melhor, como disse anteriormente, é, a questão é o que sentimos, até  mesmo porque podemos ser traídos pelo sentimentos, normalmente fugimos deles, não compreendendo sua origem para poder lidar melhor.

3º Memória afetiva é uma das mais difíceis de remover para o esquecimento – A memória afetiva está no sistema límbico que é um dos sistemas mais primitivos do nosso cérebro, que considera que deve guardar as informações mais relevantes até mesmo como efeito de proteção, logo  a mente elabora se tal pessoa, ou tal situação nos fez mau, qualquer situação similar deve ser alertada ao cérebro para “lembrar” e não deixar que isso se repita novamente, o problema é que, quando esses “gatilhos” são  ativados ele vem mais em formato de sofrimento do que um mero aviso para não sofrer.

Compreende que, o quê aconteceu e marcou nossas vidas não é esquecido de forma tão fácil assim? Aprendi muito com o filósofo existencial Jean Paul Sartre quando disse que “ A dor é inevitável mas o sofrimento é opcional”, uma das leituras que aprendi desta fala de Sartre é que,  talvez algumas ferida principalmente as emocionais não serão esquecidas mas, não precisam ser pra sempre sofridas, dor é uma coisa sofrimento é outro, sofrimento tem haver em ficar reforçando e remoendo as experiências vivenciadas e que foram mau elaboradas. Uma das melhores estratégias que temos na atualidade para lidar com essas feridas emocionais é a psicoterapia através dela mergulhamos em nosso SER de um modo mais seguro e com uma “técnica” orientada e desenvolvida por uma profissional que especializou nestes modelos de “cirurgias de feridas da alma.”

Espero que a leitura deste artigo possa tê-lo ajudado, aproveite e mostre a um amigo que esteja vivenciando uma situação parecida. Caso queira contribuir com críticas ou sugestões a esta coluna de comportamento, escrita por Leonardo Sandro Vieira, é só contactar pelo 33-9881868589 ou pelo e-mail:leosavieira@gmail.com ou pelo nossos canais de interação no    https://linktr.ee/institutoaprendendoalidar

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Leoperfil-2.png
Leonardo Sandro Vieira 
CRP-04/43298

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *