Blog, Comportamento, Uncategorized

O Problema de uma cultura que valoriza mais o cuidado físico do que o cuidado emocional.

Uma reflexão necessária nos dias atuais é, por quê a cultura do cuidado com o físico sobressai frente aos cuidados com as emoções/mente? Quando falo do cuidado com o físico não estou falando restritamente da atividade física pois, em muitos casos o cuidado com o corpo é o resultado do cuidado mental. Estou falando que em nossa cultura fomos ensinados desde cedo a cuidados extremamente necessários com o corpo, como; tomar banho, escovar os dentes, se machucamos ou sentimos uma indisposição imediatamente vamos ao médico, no entanto, quando alguém em nossa volta está com algum problema logo dizemos, ele(a) é muito dramático, ou começo a fingir que nada está acontecendo pra não ter que falar sobre.

Nós não ensinamos a nossos filhos a lidar com as emoções de uma forma adequada, não lhes ensinamos como a lidar com os pensamentos, deixamos eles perceberem que, o que se passa na mente não é importante, mas damos ênfase ao cuidado com a saúde física pois a sua falta pode nos adoecer, mas as emoções não fazem isso não é verdade? Mas me explica algumas situações, qual é a causa de tantos conflitos entre nós, jogo de interesses, transtornos emocionais, depressão e suicídio? Eles são provocados pelos problemas físicos? Tosos eles começaram por questões emocionais não é verdade?

O que não paramos para analisar é que, o modo como percebemos o mundo é aprendido principalmente na fase da infância e adolescência, após estas duas fases normalmente vamos dando continuidade às nossas percepções e sensações do resultantes desta elaboração e aprendizagem.

Sentimentos como solidão, incompetência, medo, raiva, angústia, subjugação, amparo, desamparo, segurança, fracasso, são sensivelmente captados pela mente deixando sua marca no cérebro especificamente no sistema límbico, área do cérebro responsável pelas emoções e comportamentos sociais. Estes sentimentos são como botões que nos acionam automaticamente pela influencia de três fortes elementos, eventos marcantes da vida, personalidade e interpretação do indivíduo do evento vivenciado, por isso, quando o indivíduo passa por uma experiência que o deixa vulnerável, ele tende a se sentir baseado na experiências anteriores mais marcante da sua vida, mesmo que ele não lembre conscientemente do evento, mas o modo de sentir já foi introjetado lá no passado pela mente.

Cientificamente já é comprovado que o modo como sentimos já relacionado aos eventos mais marcantes da vida e irá influenciar diretamente nossos pensamentos, percepções e comportamentos.

Se os nossos pensamentos moldam nossos comportamentos. Por que ainda assim damos pouca relevância ao cuidado com a mente?

Dificilmente encontramos um sujeito na vida que nunca foi ao médico, no entanto a maior parte da população nunca foi a um psicólogo que o profissional responsável por trabalhar as emoções, sentimentos, comportamentos, promover a saúde mental, contribuir pra que haja um maior equilíbrio das relações sociais, diminuindo conflitos e melhorando as percepções.

De que adianta ter um corpo escultural mas, acreditar que os que estão em sua volta só irão amá-lo em função do seu corpo e por isso desenvolve um medo e fuga de relacionamentos?

De que adianta se matar de tanto estudar, mas tem uma enorme insegurança e por isso sempre acredita que por mais que estude não irá conseguir nada na vida.

De que adianta ter um corpo de miss Brasil, mas este extremo cuidado com corpo é na realidade uma insegurança por acreditar que as pessoas só irão dar afeto pelo corpo que é capaz ser?

Do que adianta apresentar ter saúde física mas, quando está só provoca bulimia colocando pra fora tudo que comeu quando estava com os amigos?

Do que adianta praticar excessivamente a atividade física lesionando o corpo para fugir da dor do abandono parental provocado pelo excesso de trabalho dos pais?

Percebe a necessidade do cuidado com a mente, porque por mais que no corpo esteja bem podemos estar com nossas emoções totalmente fragilizadas, sem contar que o corpo fala, e fala muito bem sobre nossas emoções. Pense nisso!

Espero que a leitura deste artigo tenha lhe ajudado, aproveite e mostre a um amigo que necessita de uma leitura mais apropriada ao problema que esteja passando. Caso queira contribuir com críticas ou sugestões a esta coluna de comportamento escrita por Leonardo Sandro Vieira é só contactar pelo 33-98818-6858 ou 3203-8784 ou pelo e-mail:leosavieira@gmail.com 
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Leoperfil-2.png
Leonardo Sandro Vieira 
CRP-04/43298

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *